22 de junho de 2017

Parto real X parto ideal - Plano de Parto

CCBB/BH e, assim mais uma roda de partilha, oportunidade de ouvir e falar, de boas trocas, onde cada participante compartilhou sua construção de parto-nascimento, onde o certo e errado não existe. Antes, durante, pós parto, amamentação, puerpério, todas as fases merecem acolhimento, respeito, apoio, segurança. Algumas podem ter partos mais difíceis, delicados, mas TODAS, sem exceção, merecem sentirem-se seguras e serem ouvidas, individualmente, no seu momento de trabalho de parto, parto, pós parto, enfim em todo ciclo gravídico. 
Então, diante dessa troca o que é real, o que é ideal para cada uma? O Plano de Parto pode ajudar a responder essa questão. Pois, estudar as possibilidades e escrever sobre o que deseja ajuda a minimizar o medo do desconhecido. IDEAL que TODA mulher/bebê/família pudesse vivenciar o momento do nascimento com toda segurança e respeito, livres de toda tensão em todo lugar. REAL ainda longe em muitos locais, infelizmente.
Se preparar para o parto e para o pós parto tão importante quanto.
Algumas palavras chaves comentadas na roda diante do tema - parto Real X parto ideal
- parto natural
- parto normal
- parto humanizado
- se tudo der certo
- desorganização
- acho que não sei nada
- controle
- parto é como se jogar no mar aberto sem boia
- buscar conhecimentos
- cesárea
- prático/sofrer?
- dor
- empoderamento que esta dentro da gente

...
e, assim falamos sobre o Plano de Parto.
Esse, sim é um documento que pode auxiliar e muito na construção do parto-nascimento.
Não é um documento oficialmente, reconhecido por todos ainda, infelizmente, mas é sim, com certeza, uma excelente ferramenta.
Não basta copiar  de alguns prontos que se lê/vê nos meios sociais. É necessário compreender sobre o que esta escrito desde termos como o que é solicitado. O que é seu direito, do bebê, do acompanhante de livre escolha - Lei do Acompanhante - 11.108/2005 seja no setor privado, casa de parto, sus, ou mesmo, parto domiciliar.
Sendo assim, estudar sobre a fisiologia do parto e, diante desse estudo, buscar dentro da realidade de cada uma, onde encontrará o mais próximo do que desejas desde maternidades a profissionais que acolherão suas escolhas a medida do possível. Ou seja, atuar com responsabilidades compartilhadas segundo OMS, baseadas em evidências científicas, fazendo uso das boas práticas do parto.
Pode ser iniciado como um esboço sobre os "desejos" até dúvidas sobre o que deverás buscar. E, a medida que a gestação for evoluindo,  e com mais estudo ir finalizando o Plano de Parto pessoal.
Ele é a voz de cada mulher, do casal, da família - gestante e acompanhante de livre escolha, dentro das instituições. Por isso, tão importante quem for acompanhar no dia do parto diretamente, preparar-se junto. Uma vez que a mulher precisa sentir-se segura, acolhida e, não precisar "pensar/raciocinar/vigiar" no dia do parto para entregar-se e vivenciar a dança pessoal do parto. 
e, assim todas se expressam livremente.
Parto é entrega, é permissão, flexibilidade para ir acolhendo suas fases/etapas. Momento intenso, forte, desafiador, recheado de muitas emoções, sensações. Plano de Parto não tem um roteiro específico. Cada mulher precisa estudar sobre o que para ela é importante e iniciar sua própria construção. Isso deveria ser incentivado/construindo junto com o prenatalista, mas infelizmente, não o é. Poucos, ainda bem que tem, mas poucos o fazem.
Como fazer?
1)pesquise na internet sobre Plano de Parto
2)Após ler alguns, comece a fazer um rascunho sobre o que para você teve peso de importância dentro da sua realidade.
3)Evite comentar com pessoas que não compartilham do mesmo desejo. A construção do parto-nascimento deve ser partilhada com a pessoa que irá lhe acompanhar no dia do parto, essa sim, precisa "estudar junto" sobre esse universo gravídico. Além das rodas presenciais, grupos que apoiam o parto fisiológico virtual, também são de grande ajuda. O apoio é fundamental, por isso o preparo junto é muito importante.
4)Parto tem fases e o Plano de Parto deve acompanhar cada uma delas. Antes, durante, pós parto imediato e cuidados com o bebê.
5)Fase inicial - ainda contrações irregulares - evitar contar para pessoas que não irão somar, positivamente. E, sim, deixar escrito no Plano de Parto como deseja passar a fase inicial.
5.1)contrações irregulares, ficar em casa com apoio da pessoa que "estudou" junto com você a fisiologia e, que poderá apoiar, buscando auxiliar a vivenciar essa fase da melhor forma possível. A ligar para o profissional, caso tenha contratado um. Ou mesmo ir para maternidade ser avaliada e, poder voltar para casa, se não estiver com contrações regulares ou com pouca dilatação ainda. Enfim, infinitas possibilidades que precisam serem conhecidas, estudadas, anteriormente, para fazer escolhas no dia do parto com mais tranquilidade.
6)e, quando entrar no trabalho de parto ativo, provavelmente, já escolheu profissional e/ou local para o nascimento do bebê poderá desde ir para maternidade, a comunicar ao profissional se contratado que deseja ir para maternidade ou alguém ir a sua casa.
7)ao adentrar o local, deve levar junto com os documentos 02 vias do Plano de Parto. Uma fica com você(s), outra apresenta a equipe da maternidade ou ao profissional contratado. Lembrando que, infelizmente, não é reconhecido em vários locais, tão pouco aceito. Mas, isso não quer dizer que você não tenha o direito de estar com Ele e apresentá-lo à equipe que assistirá seu parto. Por isso, estudar as  possibilidades diante da realidade de cada uma é importante antes. No dia do parto já saberá qual local acolherá melhor suas escolhas, a medida do possível.

E, o Plano de Parto acaba com o parto?
Não. Então, no Plano de Parto precisa ser incluindo os cuidados com o bebê. 
Intervenções com o bebê, você sabe quais são? 
Rotineiras - desde pingar o colírio, aspirar ou fazer lavagem estomacal de rotina, aplicar vitamina K, dar banho (aqui ressalva - em BH, não sei dizer sobre outros estados), não existe mais berçários, porém tem algumas questões bem delicadas que é praticada em algumas maternidades. Não existe balança dentro do bloco cirúrgico, daí levam o bebê para o "berçário" que via de regra não existe, para medir, pesar, limpar com óleo mineral e vestir. Isso é o que deseja para seu bebê? 
Não dão banho de água, mas dão banho de óleo mineral no bebê. Isso é uma intervenção que mascara o banho. Para o bebê é fundamental o contato pele a pele para ser colonizado pelas bactérias da mãe. E, quando nasce estando tudo bem com ele e sua mamãe é permitir que ambos e acompanhante vivenciem a "hora de ouro". O primeiro print do bebê precisa ser respeitado, pois marca para toda uma vida.
Portanto, avaliar o que para o seu bebê irá ser necessário. Muito do que fazem, rotineiramente, é desnecessário.
E Plano de Parto caso ocorra uma cesárea, existe?
Sim. Toda mulher merece ser bem acolhida em todo acompanhamento do parto, da hora que adentra uma maternidade até a alta. E, a cesárea, que é não é parto, mas sim, cirurgia, pode e deve ser acolhedora.
Algumas sugestões a pedir aos profissionais - atenuar as luzes do bloco cirúrgico, música ambiente que você tenha levado, desligar ar condicionado caso esteja ligado, que lhe falem sobre a hora que vai começar e avise quando já estiver quase nascendo, pedir para não amarrar os braços e se o fizer que desamarre para segurar o bebê quando nascer. Aqui incluindo perguntar se deseja que abaixem o campo para ver o momento da retirada do bebê - isso aproximando o máximo possível a mãe ao nascimento do bebê em sua retirada do útero. E, nascendo bem que o coloque contato pele a pele da melhor maneira possível, pois aqui, precisamos lembrar que algumas vezes não é possível pela questão dos campos "estéreis". Mas, que deseja que o bebê fique bem próximo a ti, sendo que o acompanhante pode ajudar a segurá-lo perto, bem perto.

Então, busque se informar melhor sobre o local, sobre os profissionais caso vá contratar e, veja como é a atuação sobre os cuidados com o bebê depois que nasce também. Escreverei um breve modelo  de Plano de Parto depois.

Tendo dúvidas ainda, escreva para nós. No que for possível, buscaremos auxiliar. Compareça em nossas rodas, assim terás oportunidade de dialogar e tirar suas dúvidas também. Participação aberta e gratuita, levar apenas um lanche para compartilhar com o grupo.
Email - ONGbemnascerBH@yahoo.com.br
A fila continua linda... todas construindo sua trajetória do parto-nascimento

12 de junho de 2017

Roda ONG Bem Nascer CCBB

A imagem pode conter: 17 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas em pé e área interna
 ATENÇÃO - serão duas rodas no mesmo dia
Dia 17/06/17 - Sábado

PRIMEIRA roda - para acolher gestantes, casais grávidos, acompanhantes e todos interessados no universo gravídico com respeito, segurança, responsabilidade compartilhada. Informações de qualidade, baseadas em evidências científicas, segundo OMS.
Horário - 09:30 às 11:30
TEMA - parto Real X parto Ideal
Entre tantas expectativas acerca do parto, como construir de forma mais saudável a chegada do bebê? Estudar sobre as possibilidades diante da realidade de cada um. Escrever o Plano de Parto, buscar conhecer o local e, ir construindo o nascimento do bebê, aprendendo a lidar com a ansiedade, medos, insegurança. Contar com uma rede de apoio que compreenda de forma respeitosa as escolhas da mulher, do casal - da "família".
Participação
Roda pela manhã - Coordenação
- Bel Cristina - doula, atua com terapias integrativas
- Cleise Soares - jornalista, assesoria de impressa (na maternidade Sofia Felman)
- Lena - doula, educadora perinatal

SEGUNDA roda - para dividir a vivência do pós parto. Tão importante se preparar para o parto, quanto para o pós.
Horário - 14:30 às 15:40
TEMA - Construindo o cuidado
Com muita alegria, convidamos para nosso reencontro.
Nasce um bebê, renasce uma nova família... e, agora? Venha conversar sobre esse intenso período que envolve tantas emoções.
Roda à tarde - Coordenação
- Roseanna - psicóloga
Com parceria de:
- Aline Fêlix - Personal Família e Bebê. Consultoria Pós-Parto
- Ana Monteiro - By Mimos de Mãe
PARTICIPAÇÃO aberta e gratuita. Leve um lanche para compartilhar com o grupo.

Email - ONGbemnascerBH@yahoo.com.br

6 de junho de 2017

Informações sobre as rodas

 
#ongbemnascer
RODAS ONG Bem Nascer, atenção as novas informações sobre:
- Roda parque MUNICIPAL, suspensa por tempo indeterminado, espaço passando por reformas.
- Roda parque MANGABEIRAS - CEAM, também suspensa aguardando liberação da nova administração do parque.
- NOVA roda ONG Bem Nascer, será no CCBB, ao lado da praça da Liberdade. A próxima será dia 17/06/17, aguardem mais detalhes. Para gestantes, tentantes/acompanhantes, pela manhã. A de bebês será a tarde, também no CCBB.
Informações, dicas, críticas - email - ONGbemnascerBH@yahoo.com.br

17 de maio de 2017

Relato de parto Sarah Alves Rodrigues

Bem, aqui estou eu, 6 meses depois do nascimento da minha filha, terminando de escrever o relato do meu parto (comecei há 3 meses...rsrsrs). Engraçado que sempre fiquei pensando porque algumas mulheres demoravam tanto pra escrever o relato delas, e eu acabei fazendo do mesmo jeito. Fui enrolando, meio que sem querer... Mas a realidade é que é difícil sentar pra escrever nos primeiros meses, principalmente quando você opta por criar o bebe com amamentação livre demanda, sem suporte do bico e ainda tem um bebê que quase não dorme, como a minha Sophia... rsrs. Mas enfim, terminei!

Para começar, vou fazer uma breve introdução sobre mim. Eu sou a Sarah, tenho 30 anos e sempre tive uma certeza em minha vida: queria ser mãe! E desde sempre eu pensava que o parto deveria ser da forma mais normal possível! Eu nem imaginava que a cesariana já havia ganhado na preferência e estatística em quase todos os hospitais do Brasil. Bem, um tempo depois que me mudei para Belo Horizonte (sou de Montes Claros – MG), tive uma colega de apartamento que teve seu parto na Maternidade Sofia Feldman. Foi quando ouvi falar, pela primeira vez, dessa maternidade que incentivava o parto natural, e que até possuía as suítes de parto com banheira (meu sonho!!!).É importante ressaltar que a experiência dessa minha amiga não foi tão boa para ela, que dizia que nunca mais teria um parto, e que se tivesse não seria no Sofia. Eu escutei isso e pensei: “talvez o parto dela não foi tão legal, mas se eu engravidar aqui em BH, será lá que terei meu bebê, por que lá eu teria certeza que respeitariam meus desejos”. E assim foi.

Casei, e 2 anos depois começamos a preparar para engravidar. Pesquisei na internet alguns obstetras em BH que fossem a favor do parto humanizado. Foi então que li sobre um médico – Lucas Barbosa - que atuava na Maternidade Sofia Feldman e também atendia pela Unimed. Entretanto, o que mais me interessou foi o fato de que ele era um dos poucos em BH que fazia a manobra de versão cefálica externa e se necessário o parto pélvico (eu queria evitar de qualquer maneira a desculpa para uma cesárea).

Nas minhas pesquisas também descobri que havia o Instituto Nascer, o Núcleo Bem Nascer, a ONG Bem Nascer, e outros. Enfim, além da Maternidade Sofia Feldman, existem várias instituições e organizações em BH que apoiam e dão suporte às pessoas que desejam ter seu parto da forma mais respeitosa possível.
A imagem pode conter: 1 pessoa
Então começamos a frequentar as rodas da ONG Bem Nascer. A primeira vez que fomos foi em Novembro de 2015. Nos apaixonamos pela ONG naquele momento, e não paramos mais de ir. Foi lá que fortaleci minhas convicções e que meu marido compreendeu e passou a defender o parto fisiológico. Ele foi comigo todas as vezes. Devemos muito a toda equipe da ONG e a todos os casais que iam lá contar suas experiências. Foi lá também que conhecemos nossa querida Doula Rosana Cupertino!

Em janeiro de 2016 confirmamos que Deus havia atendido nosso desejo. E em março já sabíamos que era uma menininha – a Sophia!

A gravidez transcorreu bem tranquilamente, com excesso de disposição! Cuidei da alimentação; fiz pilates; caminhadas; também fiz exercícios para fortalecer meu períneo (acompanhada por uma fisioterapeuta da saúde da mulher); e trabalhei bastante!!!

No fim, engordei apenas 10kg. Não tive inchaço algum, e meus exames foram sempre muito bons. Enfim, diante de uma gestação tão tranquila, eu tinha um sentimento que o parto seria tranquilo. E graças a Deus, foi!

No dia 13/09/2016 fui à consulta com Dr Lucas Barbosa, estava com quase 39 semanas. Até aquele dia não havia sentido nada das tais contrações de treinamento.

Dr Lucas fez o toque (pela primeira vez), e descobrimos que eu já estava com 4cm de dilatação! Fiquei surpresa, não esperava isso! Dr Lucas disse que Sophia poderia demorar ainda mais de uma semana para nascer, mas saí de lá andando bem devagar...kkk Eu tinha tanta coisa pra arrumar ainda.

A semana transcorreu tranquilamente. As vezes eu percebia a barriga endurecer , mas não sentia nenhum desconforto.

No dia 22/09/2016 (dia que completei 40 semanas) eu acordei e fui ao banheiro fazer xixi, quando percebi que meu tampão mucoso estava saindo. Também senti umas leves pontadinhas no pé da barriga, então imaginei que estava chegando a hora, mas fiquei tranquila e segui com o planejado para o dia. Eu tinha marcado a manicure na parte da manhã e tinha consulta com Dr. Lucas à tarde. Fui ao salão fazer as unhas, almocei e fui para minha consulta. Chegando lá Dr Lucas me avaliou e me disse que eu já estava com 6cm de dilatação!!! Ele brincou e disse, “vai nascer de hoje para amanhã à noite. Fica preparada e observe os primeiros sinais de contrações ritmadas, porque se você já está com 6cm de dilatação e não está sentindo as contrações pode ser arriscado esperar muito tempo em casa”.

Bem, eu confesso que fiquei feliz por já está com 6cm de dilatação sem sentir nada de dor, fiquei imaginando que eu poderia ser uma daquelas mulheres que o bebê escorrega igual quiabo... kkk mas na verdade eu estava torcendo pra Sophia esperar até o domingo, pois tinha roda da ONG no parque Mangabeiras no sábado dia 24 e eu queria muito ir (fiquei só na vontade).

Saí do consultório, comi uma pamonha e fui pra casa. Terminei de preparar a bolsa maternidade, pedi para meu marido comprar uns picolés e deixar a caixa de isopor preparada. Nós dois resolvemos dormir mais cedo, por volta de 21 horas. Ele dormiu rápido! Eu demorei a pegar no sono. Pouco tempo depois que dormi, acordei sentindo uma contração, não foi tão forte, mas foi o suficiente para me acordar. Minutos depois senti novamente, e assim foi por uns 30 minutos. Resolvi acordar meu marido. Ele ligou o aplicativo do celular e começou a monitorar as contrações, percebemos que estavam vindo a cada 4 minutos e durando uns 30 – 45 segundos. Mas eram contrações muitos suportáveis, praticamente não doíam.

Resolvemos então enviar uma mensagem para Rosana, nossa doula, e ela nos orientou a fazer como Dr Lucas havia falado, ir para a maternidade.

Arrumamos tranquilamente (eu mais tranquila que meu marido...rsrs) e fomos para a maternidade. Chegamos por volta das 02 horas da madrugada, havia pouquíssimas pessoas aguardando atendimento. Não demoraram a me atender. Quando fui avaliada pela enfermeira, ela disse que eu estava com 8cm de dilatação!!! Quase não acreditei. Ela perguntou se eu queria ir para a casa de parto, pois meu perfil se encaixava e havia uma suíte liberada. Eu disse que era o que mais desejava!
Nos instalamos em uma suíte na casa de parto, informamos para a Rosana (nossa doula) sobre a minha situação e ficamos aguardando. Fui avaliada pela enfermeira de plantão e estava tudo bem comigo e com a Sophia. Meu marido esteve tranquilo durante todo o tempo, me fazia massagem, me abraçava, me colocava na bola pra exercitar, dançava comigo. Ele foi um acompanhante maravilhoso, um mariDoulo!!! A Rosana chegou por volta da 04 horas e a partir daí esteve ao nosso lado, nos alegrando, nos orientando, me ajudando a fazer os movimentos para ajudar a Sophia descer, me massageando quando vinham as contrações, me lembrando de beber água e comer – meu marido também ficava o tempo todo me dando algo para comer..kkk

Às 07 horas da manhã teve a troca do plantão e nós conhecemos as enfermeiras que nos acompanhariam no nascimento da Sophia. Elas me avaliaram e disseram que estava tudo bem. Mas que, pelo meu partograma, a Sophia já deveria ter nascido, pois cheguei ao hospital com 8cm de dilatação às 02:30 da manhã. Elas me perguntaram qual seria meu posicionamento caso demorasse mais, pois eu não havia deixado claro no meu plano de parto se autorizaria alguma intervenção, como: romper a bolsa, usar ocitocina, etc...

Nesse momento eu fiquei um pouco em choque, pois não esperava que lá no Sofia Feldman tentassem acelerar meu parto por meio de alguma intervenção. Foi então que meu marido perguntou: Mas está tudo bem com a nossa filha? E disseram que sim. Então eu acho que entenderam que nós não pensávamos em fazer nenhuma intervenção enquanto estivesse tudo bem com nosso bebê. Elas saíram do quarto, mas vinham a cada 30 minutos para monitorar os batimentos cardíacos da Sophia. Por volta das 10horas, em uma dessas vindas, eu pedi que fizessem o toque. Eu já estava com 10cm de dilatação!!! Mas a bolsa estava lá, firme e forte, impedindo meu bebê de nascer.

Dessa vez elas não sugeriram nenhuma intervenção, apenas disseram que eu poderia fazer alguns exercícios e também fazer uma força expulsiva quando viessem as contrações. E assim eu fiz, com a ajuda da Rosana e a insistência do meu marido - ele parecia um personal trainer...kkk “vamos lá amor, mais um agachamento..” “agora senta na bola” “faz força”. E eu fazia direitinho. Em cada contração eu agachava, fazia força, me movimentava. Até dancei forró com meu marido! O que eu não queria era intervenção alguma! E então, depois de bastante esforço, por volta de 12:30, a bolsa estourou!! Graças a Deus! Agora minha filha vem! 
 
Nesse momento, a Rosana começou a preparar a banheira, pois ela sabia que meu desejo era ter o parto na água. Pouco tempo depois que entrei na banheira, eu senti as primeiras contrações do expulsivo, foram bem dolorosas e me pegaram de surpresa. Nessa hora as enfermeiras vieram e disseram que a minha filha estava perto de chegar, trouxeram os materiais e ficaram de prontidão. Pouco tempo depois veio outra contração forte. Meu marido ficou atrás me apoiando pelos braços.

Após essa contração eu já pude sentir a cabeça da minha filha. Então veio a próxima e pior de todas: eu senti uma dor como se estivesse quebrando meus ossos, e eu gritei! Eu que dizia que não queria gritar, não consegui segurar! O grito saiu espontaneamente, e ele me ajudou a liberar a dor.

Nasceu a cabeça...ufa! Ela tinha uma circular de cordão, mas estava bem. A enfermeira fez uma manobra para facilitar no momento que viesse a próxima contração, pois o ombrinho dela estava um pouco preso. Então senti uma contração bem dolorosa, e ela veio para nós, para o meu peito, exatamente às 14horas do dia 23 de setembro de 2016! Eu estava feliz, aliviada e muito cansada.  
Rapidamente a enfermeira preparou o cordão umbilical para o meu marido cortar, e então elas tiraram a Sophia do meu colo e deram para meu marido segurar enquanto me ajudavam a sair da banheira. Eu deitei na cama e me deram a Sophia novamente, que ficou mais de uma hora nesse contato pele a pele. Foi nesse momento que ela pegou o peito e mamou. Que sensação maravilhosa!

Enquanto eu estava deitada na cama, nasceu a placenta (integra) e em seguida eu fui suturada, pois tive lacerações tipo 1 e tipo 2 na hora do nascimento (mesmo assim, foi melhor para o meu períneo do que se tivessem feito uma episiotomia).

O nascimento da Sophia foi como eu sempre sonhei: foi natural, foi na água, foi respeitoso. Eu senti, por pouco tempo, a maior dor que já senti na minha vida até o momento, mas não houve sofrimento, pois essa dor, foi dor de vida, foi a dor necessária para a Sophia vir brilhar neste mundo, e foi também a dor necessária para eu nascer de novo. Agora, como mãe! 

Relato de Nathalia Couzi Pedrini

Sobre o dia que me tornei Mãe!
A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas sentadas
Dia 21/02, terça-feira, eu acordei com bastante disposição e com um sentimento de que seria aquele "o dia", meu pé direito não estava inchado e eu teria uma consulta com a minha GO Dra Quésia Villamil no fim da tarde.
Pela hora do almoço, Tiago me envia a playlist do parto que ele já estava há 9 meses pra fazer... Acho que ele tb estava com o mesmo sentimento que eu.
Pouco antes de Tiago chegar pra me pegar eu resolvi fazer as últimas fotos da Dona Pança, que são essas...
Fomos para a consulta.
Como eu desenvolvi Diabetes Gestacional, já sabíamos que o Bento não poderia passar da 38 semana, tanto para o bem dele quanto o meu.
Desde sábado, 18/02, eu já sabia de uma diminuição na quantidade do meu líquido amniótico, e na consulta, Dra Quésia me explicou que o Bento estava bebendo o líquido e não estava fazendo xixi, e que isso seria resultado da DG.
Conversamos e decidimos por uma indução mais natural através do descolamento de um pedacinho da placenta, feito num exame de toque é totalmente indolor. A propósito, eu já estava com 4cm de dilatação neste exame! Faltavam só 6 cm!!! Uuuuhhhh... Dessa forma meu corpo teria 48hs pra entrar em trabalho de parto naturalmente, caso contrário na sexta-feira seguinte, após uma ultra ela me internaria para uma indução com medicamentos. Ao final da consulta, ela recomendou que eu viesse pra casa relaxar ou que fosse a um bom restaurante. Siiimmmm ela me havia acabado de me liberar da dieta e até me deixou tomar um vinho!! Eu, em contrapartida, disse que nos falaríamos mais tarde, pois meu sexto sentido não falha!!! Ao sair do consultório vejo minha Doula Bel Cristina e a fotografa Paula Beltrão aproveitei e já deixei as duas avisadas que eu iria ligar pra elas mais tarde! Sai de lá às 18:30hs, sem dor e empolgada para preparar uma massa e tomar um vinho!
A imagem pode conter: 2 pessoas, close-up
Durante a vinda pra casa, senti 03 cólicas beeemmmm interessantes, mas Dra Quésia havia me alertado de que eu poderia ter uma cólica, mas não havia me dito a intensidade dela...
No mercado, eu praticamente não consegui sair do carro, a tal cólica ficava mais "interessante" a cada vez que ela vinha... Tiago rapidamente comprou o que faltava e fomos pra casa. Cheguei escolhi-o vinho e já fui preparando o jantar entre uma cólica e outra... 
A imagem pode conter: uma ou mais pessoas 
Cada vez que ela vinha eu tinha que me sentar, esperar passar para só depois voltar a cozinhar... Decidi ligar pra Bel, para saber se a tal da cólica que a Dra Quésia havia dito era uma "coliquinha" ou uma cólica mesmo... Sim, eu ainda não tinha me tocado que eram as contrações, eu sou muito resistente a dor.
A Dra Quésia ainda estava dando a palestra do Curso de Preparação para o Parto e a Bel me acalmou... segui com a preparação do meu jantar. Tiago colocou a mesa e abriu o vinho, brindamos e eu tomei 1 Gole!!!
Terminei o jantar e me sentei para comer, tomei mais 1 Gole do vinho, a cólica se intensificou de uma maneira muito forte e a ficha caiu que eram as contrações!!! Tiago, falou pra eu comer rápido entre uma contração e outra e ligou pra Bel, isso eram 20:45hs, ela tentou acalma-lo e pediu pra ele me colocar no chuveiro e pra ele contar quantas contrações eu teria até às 21:30hs. Às 21:00hs Tiago ligou pra ela dizendo que já eram 6 contrações fortes em 15 minutos!!! Ela recomendou que ele ligasse pra Dra Quésia. Nesse momento Tiago já havia pedido Paty, uma amiga e vizinha, subir pra ajudar... Eu já estava de toalha em cima da cama quando Tiago me passa o telefone, era a Dra Quésia, eu perguntei, enfim como seria a tal cólica que eu poderia ter... maaassss não me lembro da resposta, pois já havia largado o telefone, a dor já estava num patamar muito forte que eu não conseguia mais falar!!!
Ela passou as instruções pra Tiago, e lá fomos nós para a Maternidade, eu, Tiago e a Paty.
A imagem pode conter: 3 pessoas
Chegamos na Maternidade às 22:00hs. Dra Quésia me recebeu com um abraço super gostoso e acolhedor na porta do Centro Cirúrgico e me levou para a suíte de Pré-parto onde a Bel já estava a preparar seus apetrechos de Doula. A partir daquele momento eu, segura do que eu queria, e me sentindo segura por estar com a minha GO e a minha Doula, me entreguei as contrações. A cada uma eu tinha a certeza de que estava chegando a hora de ter meu filhote nos braços. As contrações foram acontecendo em um espaço de tempo cada vez mais curto. Massagem, carinho, afago e palavras de coragem vinham da Bel, da Dra Quésia e do Maridão. Em um determinado momento, uns 40 minutos depois que eu havia chegado, eu estava sentada na bola e Dra Quésia sorrateiramente veio com seu aparelhinho para escutar o coração do Bento, naquele momento eu já estava num outro plano: a Partolândia, mas pude perceber que ela tinha uma certa dificuldade em achar o coração dele, ela pedia pra que eu me esticasse para que ela pudesse ter acesso à base da minha barriga. Quando ela conseguiu escutar, e a tensão e a contratação passaram eu pedi o "toque". Lembro que ela me perguntou se eu tinha certeza, e eu disse que sim. Me deitei na cama, mas meu corpo tremia muitoooo, a adrenalina já me dominava. Eu consegui controlar um pouquinho a tremedeira e Ela conseguiu fazer o toque. E então com um super sorriso ela disse que eu já estava com 10cm!!! Na mesma hora ela pediu para que a Paula tirasse uma foto minha, pois segundo ela eu estava com uma cara ótima para quem estava com 10cm!!! Dai ela e a Bel me explicaram que as contrações iriam mudar o ritmo é que logo viriam os puxos. Até então minha bolsa não havia estourado. Fomos para o chuveiro, mas eu senti muitooo frio, mais que depressa a Bel conseguiu esquentar o banheiro, mas eu quis sair dali... 
 A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas sentadas
Fomos para o Bloco Cirúrgico, que nada se pareceria com um lugar frio e gélido que eu imaginava, ele estava acolhedor e preparado com muito carinho pra o meu momento. Música, meia luz, tranquilidade e muito amor! Isso já eram cerca de 23hs. Tiago e a Bel estavam comigo o tempo todo e isso confortava meu coração. De fato, como elas haviam falado, as contrações mudaram e quando elas aconteciam, vinha uma vontade imensa de fazer força. Me sentei no banquinho de parto, e nada da minha bolsa estourar. Eu queria que ela estourasse naturalmente, por isso neguei por 2 vezes à possibilidade de estourar a bolsa. Os puxos eram fortes e intensos. Em um determinado momento, eu me levantei e mais uma vez pedi anestesia, sim eu pedi por umas 2 ou 3 vezes, mas em todas elas já no expulsivo dai já não dava mais tempo! A Bel e a Dra Quésia me explicaram, em todas as vezes, que a parte mais difícil é mais dolorida já havia passado, a dilatação, e eu havia passado bem por ela sem pedir analgesia e que agora era mais tranquilo. Concordei em estourarmos a bolsa, e no momento que me sentei ela estourou naturalmente!!! Ufa!!! Consegui!!!
A imagem pode conter: 9 pessoas, pessoas sorrindo
A partir do momento que a bolsa estourou, foi tudo rápido e muito intenso! Eu no auge do "meu momento", fui tendo noção que a hora de ter o Bento em meus braços estava se aproximando na medida que Tiago mudou de posição, que Dra Quésia colocou as luvas, que a Dra Ana Luíza , a Pediatra, se aproximou e ficou ali pertinho. E quando a Bel me disse: - Corrou! Ele é cabeludo! Foi tudo muito rápido, pelo menos pra mim que estava no meu transe particular. Lembro ainda, da explicação sobre o Círculo de Fogo, que já estava acontecendo no momento. E depois da força louca que fiz, elas disseram que a cabecinha dele já havia saído! Tudo foi mais rápido ainda! Bento nos meus braços, o calor do corpinho dele no meu, as mãos de Tiago nos envolvendo e um chorinho leve e calmo. Sim, ele chorou pouquinho, como quem dissesse: Oi! Estou aqui! Panos nos envolveram, mas o calor dele em mim isso eu não vou esquecer nunca! Ficamos ali um bom tempo os 3, não sei precisar quanto! O cordão já estava branquinho e já havia prado de bater. Foi lindo ver Tiago cortando o elo que nós uniu por 38s e 5d. Ah! Depois que o cordão foi cortado, ele foi para receber os cuidados da Pediatra Dra Ana que é a Pediatra dele hoje. Sorte a minha tê-la lá para completar a Equipe Maravilhosa do Instituto Nascer juntamente com a Dra Ludmila, que tb é GO das boas e que me passou muita força e carinho com seu olhar terno. Ahhh!!!! Lembra da parte 1, quando eu falei sobre a explicação da Dra Quésia de que o Bento estava bebendo o líquido amniótico e não estava fazendo xixi?? Pois é ele fez xixi na Dra Ana!! E assim, ele a escolheu para ser a Pediatra dele!!! Ah! Outra coisa suuuper importante, pra mim e para a vida do bebê: Bento mamou na primeira hora de vida dele! Nossa Hora de Ouro foi especial, sem pressa e com muito carinho e respeito da equipe toda! Foi lindo, foi emocionante! Nunca me senti tão poderosa, tão dona de mim. Eu sei que a dor foi intensa, mas não me lembro quão intensa ela foi! A perfeição é tanta que na hora que recebi o Bento em meus braços, não havia mais dor e nem a lembrança dela. Naquele momento só Amor... E assim nasceu um bebê e mais uma Mãe!
Fotos - Paula Beltrão

14 de maio de 2017

Roda ONG Bem Nascer em parceria com CCBB

- roda ONG Bem Nascer em parceria com CCBB.
Espaço lindo, super agradável, além de ser um ponto turístico que abriga várias exposições, atividades importantes, agora também vai acolher rodas para gestantes, acompanhantes, bebês e todos interessados no universo gravídico com respeito, segurança, responsabilidade compartilhada.
Aguardem novidades sobre nova roda nesse belo espaço.
Vamos falar sobre parto? E, pós parto?
Tão importante se preparar para o parto, quanto para o pós.
Roda de gestantes, acompanhantes será coordenada pelas doulas Bel Cristina e a ONG. 
A de bebês pela psicóloga Roseanna Carla Soares.
 
  
email - ONGbemnascerBH@yahoo.com.br